Quando era criança não tinha medo. Dizia tudo que pensava, dançava sem se importar como, falava sua verdade, enfrentava todos desde um lugar de felicidade e inocência.

Mas em algum momento alguém lhe falou que estava fazendo algo errado “não pode fazer isto assim”, “muito chamativo”, “deixa de chorar”, “Deixa de birra”, seja mais feminina, seja mais masculino. E toda esta lista de coisas começaram lhe bombardear. Então você começou a ficar nervoso, perdeu a espontaneidade, a inocência, ficou cheio de julgamentos: “Não posso cantar”, “não posso dançar”, ”não sou bonita”, “não sou inteligente”, “minha mãe ama mais ao meu irmão do que a mim”, bla bla bla… E a lista é extensa, interminável… Então você começou a criar um personagem que você achava que se encaixaria. Oi, esse é meu personagem: não choro, estou focado no sucesso e tenho uma lista de comportamentos”. E assim criou-se esse grande personagem, e cada um tem o seu.

Mas em algum momento começamos a nos conectarmos com a consciência e a ver, em primeiro lugar, que não temos ideia de quem somos; se tivéssemos que descrever faríamos uma lista do que fazemos e descreveríamos nossa personalidade. Mas nós não somos esta personalidade que criamos. Por outro lado, duvidamos de tudo, porque nos tornamos inseguros, nossa autoestima baixou e embora atuamos como se fôssemos suficientemente bons, não nos sentimos merecedores de amor. Se alguém nos critica ficamos com raiva, mas nós mesmos nos criticamos todo o tempo.

À medida que fazemos a mudança e a consciência começa a expandir-se os medos começam subir à superfície e depois saem. E sempre debaixo de todo medo está a raiva, está a tristeza, tudo isso está sempre aí. O Medo é como a tampa de uma garrafa que mantém tudo dentro, mas uma vez que abrimos a tampa, tudo começa a sair.

Então à medida que começa a expandir sua consciência será capaz de ver todas estas coisas y a liberá-las, e vai a começar a querer mais. A consciência começa a empurrare quanto mais falar sua verdade, mais a consciência lheempurra. Seu coração vai sentir muito incômodo se você não for íntegro, se estiver mentindo, se não falar sua verdade. Vai sentir-se muito desconfortável e vai ter que fazer, e quanto mais se transformar nas ações do amor, mais rápido cresce o amor, até que se torne algo natural: falo minha verdade, sinto minhas emoções, me exponho exatamente como sou, não uso máscaras e vivo no momento presente. Se eu me empodero posso empoderar a todos, posso ver o potencial de tudo e de todos.

Ser feliz é algo natural para nós, experimentar a paz e o amor também, e isso nós podemos viver quando nossos corações estão abertos. As crianças são assim: experimentam paz e felicidade, porque sim. Nãonecessitam um motivo, não é que eles somente acordemfelizes no dia de natal. Acordam felizes cada dia, e isso é amor-consciência. É constante, é permanente e é assim que se traz alegria ao mundo.

Summary
Encontrando alegria novamente
Article Name
Encontrando alegria novamente
Description
Quando era criança não tinha medo. Dizia tudo que pensava, dançava sem se importar como, falava sua verdade
Author
Publisher Name
Isha Judd
Publisher Logo

Pin It on Pinterest

Shares
Share This