Quando a gente era criança vivia totalmente no momento presente, com simplicidade e inocência. É possível viver assim sendo adultos também. O nosso intelecto está sempre no passado ou no futuro, essa é a função dele, tentando resolver as coisas que vão acontecendo na ilusão. Isso gera um alto nível de stresse, temendo repetir o passado em um momento que ainda não chegou, ativando a adrenalina. O nosso controle é permanente.

Para falar a verdade, controlar é impossível. Podemos planejar, mas não controlar. No entanto, o medo das possibilidades não deixa perder aquele controle rígido e isso impede de fazer as mudanças necessárias.

Então, o que fazer? Fazer uma pausa e descobrir o poder do momento presente, abandonar a rigidez dos velhos modos, e se abrir às coisas do jeito que são. Uma pessoa pode se recriar em cada momento de acordo com o que a vida vai apresentando. É um absurdo querer fazer sempre o mesmo e esperar um resultado diferente. Comece a ver as coisas e a vida sem expectativas e com inocência.

A nossa vida é percebida através de uma janela suja, manchada por experiências, e só vemos o que nossa percepção nos permite, com distorções.

Quando nascemos, essa janela estava limpa, mas hoje não está mais. O bom é que essa janela pode ser limpada. A percepção pode mudar se a gente começar a se abrir as possibilidades. A vida trata-se das coisas que damos e escolhemos em cada momento.

O convite é você dar o seu máximo possível, para receber de volta mais do que imagina. Parar de ser um prisioneiro do medo, e viver a vida com confiança e entrega, pois o amor incondicional em seu coração o guiará momento a momento. Você criará o melhor para você e para aqueles ao seu redor, felicidade, paz e mais amor em cada momento.

Não temos clareza das coisas porque não somos conscientes ainda. Nós pensamos que sabemos o que queremos: quando tiver “isso” ou “aquilo”, serei feliz. Veja como tudo está num momento futuro. Aí quando recebe “isso ou “aquilo” percebe que mesmo assim não é feliz e não está satisfeito. Então, o que está faltando? Você mesmo.

Quando crescemos em consciência, temos clareza e somos excelentes, estamos muito presentes e confiantes. Se as coisas mudam, fluímos com isso, não controlamos dando cada passo com felicidade, nos divertindo. É a alegria da consciência.

Trata-se de cada momento. O que estou dando? O que estou descobrindo? Estou sendo compassivo? Quando você está dando alegria, isso é refletido de volta para você, e você cria coisas bonitas. E é assim que funciona.

Veja mais informações no Facebook: Sistema Isha Judd

Encontre o filme da Isha Judd “Por que caminhar se você pode voar”  online.

Fale com a gente pelo Whatsapp! (+598) 94 197 245

Articulo original tomado de Somos Todos UM