Nas alturas dos Andes, a água se transforma em neve. Muda de forma, mas continua sendo água. Ai muda novamente e torna-se uma geleira. Então o lago e o sol seduzem a geleira e quando ela derrete, vai para o rio. Isso é incrivelmente bonito, o azul mais azul que você já viu. E é água.

A água muda de forma milhões de vezes. Em cada uma das suas formas é esplêndida, e nunca para de ser água. As ondas são refrescantes, reconfortantes, porém o tsunami é devorador e destrutivo. Às vezes, cai como chuva, dando vida nova à terra. Beber água fresca da nascente é curativo e nutritivo. Mas ela pode também afogar você, roubando seu último suspiro.

À medida que sua consciência se expande, você percebe que o amor é tudo o que existe, tudo no universo é uma manifestação desse amor. Uma vez que você reconhece isso, consegue ver a magia e a maravilha de tudo. Você vê o amor na fúria das pessoas, o amor no ciúmes, o amor mesmo dentro do ódio. Não importa quais emoções você expressa, você reconhece que tudo isso é apenas amor tentando penetrar. Quando nos ancoramos no amor consciência, tudo o que vemos é amor em todas as suas formas. É perfeito.

O sofrimento não depende do que nos rodeia, depende da nossa percepção. É uma escolha que fazemos a cada momento. Se você está desesperado por conseguir amor do mundo exterior, dê ele a si mesmo. Se você sente ansiedade ou necessidade em alguns dos seus relacionamentos pessoais, ou se você quer que alguém mude para você ser feliz, então precisa entrar e amar a si mesmo.

Enquanto não assumirmos a responsabilidade pela nossa própria felicidade, até não percebermos que nós e somente nós somos responsáveis pela nossa satisfação, continuaremos insatisfeitos.

Você pode se reinventar, toda hora. Você pode escolher o que deseja. Essa é a coisa incrível sobre ser humanos: nós escolhemos, e então podemos mudar. Mudar para sermos mais amor, mais liberdade, deixar nossas limitações, começar a viver no momento, adquirir novos hábitos que não nos causam sofrimento.

A verdadeira consciência toma responsabilidade; Não percebe o mundo como uma coisa separada de si. É consciente de fazer parte do resto do mundo.

Se eu sempre me criticar, se eu estiver me comparando e reclamando, se eu não ser apenas o brilho de quem eu realmente sou, quem é responsável por isso? Eu. Cada um de nós é único, perfeito e brilhante, mas precisamos encontrar esse brilho polindo as facetas. A escolha é sua, de mais ninguém. Eu escolho a grandeza de quem eu sou. Não posso ser mais ninguém. E essa escolha é uma coisa incrível, pois assim que você achar isso, não há mais comparações, nem ciúmes, nem inseguranças: só existe amor. Ai você abraçará seu mundo com felicidade. Você encontrará alegria porque não estará se comparando; Apenas curtindo a variedade de sua bela criação.

Artigo original tirado de Somo todos UM