Biografia

Isha
Matthew Schmidt, Depoimento do facilitador do Sistema Isha Judd

Ame a si mesmo, ame sua vida – O Sistema Isha Judd

Antes de aprender sobre o Sistema Isha Judd e começar minha busca de auto-aceitação e paz interior, eu não conseguia nem apontar o Uruguai em um mapa. Estava lá em algum lugar com todos os outros ‘- guai ‘. Paraguai, Uruguai …

E, no entanto, apesar de sua estatura relativamente despretensiosa no cenário global, o Uruguai tem o enorme privilégio de ser o lar de Isha Judd, uma proeminente guia espiritual na América Latina, criadora do Sistema Isha Judd e fundadora de uma ONG global projetada para transmitir sua mensagem de amor incondicional a todos os setores da sociedade.

Mas por que Uruguai e por que Isha?

A história de Isha é extraordinária. Com 28 anos e ainda morando em seu país natal, a Austrália, Isha perdeu quase tudo que estimava naquele ano incrivelmente chocante de sua vida. Cinco pessoas próximas a ela morreram; sua mãe teve um derrame; sua fortuna desabou em um colapso do mercado de ações; e a propriedade da família foi vendida após uma desagradável disputa judicial difícil de resolver. Até seu cachorro morreu. Ou seja, em seis meses, Isha não tinha quase mais nada do que ela conhecia e com que se identificava. Abandonada pelo que parecia tão constante, foi tomada por um repentino desejo de “acordar”. Ela não queria depender de nada fora dela para ser feliz. Tudo era muito frágil, imprevisível e, dependendo da mudança dos ventos, aquilo poderia acontecer com qualquer pessoa a qualquer momento.

Mas você não precisa ser Isha para saber disso. Isso acontece com todos nós, de uma forma ou de outra. Podemos acordar um dia e nossos pais terem morrido ou nosso gato ficado doente. O carro quebra ou o aparece um vazamento no telhado. Terremotos agitam a terra, tornados aparecem- não importa onde estejamos na Terra é inevitável sermos atingidos por mudanças em algum momento. Com sorte, nos adaptamos e a vida continua. Podemos encontrar outro parceiro ou outro animal de estimação ou até consertar o telhado. Mas para a maioria de nós existe uma dor incômoda de um descontentamento por trás de cada situação, um olhar desconfiado em relação ao futuro – onde quer que esteja – conjecturando: Economizei o suficiente? Minha apresentação sairá como planejei? Será que fiz bem em pôr esse sapato ou deveria ter calçado o vermelho?

De fato, como Isha mostra com muita franqueza, o problema das situações que surgem na forma de experiências externas é que muitas vezes ignoramos o fato de que a pessoa que mais nos julga e nos critica somos, na verdade, nós mesmos!

E é verdade! Se você prestar atenção, se realmente começar a olhar para dentro e ver a maneira como pensa e age, notará como você está sempre encontrando pensamentos construídos para tirá-lo do seu bem-estar e reforçar essa ansiedade baseada no futuro. Sem contar a nossa obsessão social em tentar “consertar” tudo. Em todos os lugares que olhamos, há uma campanha para mudar, alterar, expandir, reformar e melhorar.

Sabemos que há sempre um problema. Todos sabemos que as coisas estão um pouco fora do lugar. Mas uma das coisas que torna Isha tão incrível – além de sua presença notável e senso de humor irônico – é sua perspectiva iluminada sobre a origem dos problemas. Muitas vezes pensamos no mundo e dizemos ‘Meu Deus, como pode tudo isso acontecer?’ Milhões de pessoas morrendo de fome. Guerras, incêndios, secas e violência. Mudança constante. Uma mistura de incógnitas. E eu, na verdade, costumava viver esse sentimento diariamente. Não importava o que eu fazia ou para onde ia, sempre havia um sentimento de que eu não estava legal. Que algo – algo importante – estava errado.

E na realidade, eu estava certo. Havia algo errado – mas acabou não sendo nada do que eu pensei que seria. Na verdade, eu estava olhando em um espelho! Ou, como Isha explica, através de uma janela: uma janela de percepção.

Quando eu tinha meus vinte anos comecei a sentir um crescente mal-estar, apesar de minha situação privilegiada. Era um homem branco com ensino superior e ótimas opções de carreira à minha frente, e eu simplesmente não conseguia deixar de ter esse constante senso de preocupação. Dinheiro – pensei – isso resolverá! Mas não adiantava quanto dinheiro tivesse, eu ainda não conseguia encontrar a paz que almejava. Talvez fosse um companheiro – sim, precisava ter um parceiro perfeito. E assim, veio o parceiro e as coisas ficaram ótimas – por um tempo. Até eu começar a me preocupar novamente. E se ele me deixar? E se ele me trair? E se, e se? Era uma forma amedrontadora de viver, dopado de estresse e bebidas para afastar os medos de mim.

Não se preocupe – as pessoas me diziam. Relaxa. Esquece. Mas não podia. Não conseguia encontrar um espaço dentro de mim de onde eu pudesse me observar. Não havia espaço – nenhum – e eu precisava de espaço para respirar, e rápido.

E apareceu um pequeno milagre na forma de um pequeno livro chamado ‘Por que caminhar se você pode voar?’ Eu o achei – ou ele me achou – em meados de 2009. Exausto de me sentir sempre mal comigo mesmo, fui dormir uma noite e suspirei. Algo se moveu dentro de mim. “Meu Deus”, eu disse, sem saber onde mais procurar. “Por favor. Eu farei qualquer coisa. Qualquer coisa. Apenas me mostre algo.

No dia seguinte, estava eu na seção de autoajuda de uma pequena livraria em Vancouver, na British Columbia, segurando dois livros na mão sem conseguir escolher. Um deles era um livro

típico de bem-estar que falava sobre paz e amor. Eu já tinha lido um bilhão desses livros, e apesar de darem um pouco de alívio enquanto eu os lia, quase sempre tinha uma sensação ainda mais profunda de estresse ao terminá-los – de novo aquele sentimento comovente de que havia algo de errado, algo de errado comigo!

O outro livro era o da Isha – um pequeno livro de bolso com uma capa amarela. Por que caminhar se você pode voar? o livro me perguntou. Eu o folheei. Era super simples. Cerca de cem páginas – cada uma delas dando detalhes das etapas e componentes do sistema Isha.

Um sistema? Para que? Para me amar – e amar os outros!

Para falar a verdade, não sei se realmente entendi o que isso significava. Mas eu sabia que estava me afogando e essa aparição repentina do livro de Isha parecia um bote salva-vidas. Ou mais do que isso – parecia terra firme. Era firme, forte, intensamente real. Se fizer isso, dizia Isha, funcionará. Espantado, eu folheava as páginas. Não há como fazer errado, ela escreveu. É automático. É inevitável. É quem você realmente é. Eu continuava boquiaberto. Ok, pensei, seja quem for essa mulher, me assombra quão convicta ela se mostra. Eu nunca vi tanta confiança antes. Eu amei o livro. Eu amei sua energia. Comprei e, mesmo antes de ler, me sentia forte, real, completo. Assim como Isha.

Embora eu ainda não soubesse, aquilo que eu estava experimentando era meu primeiro contato com o que Isha chama de amor-consciência: a energia que somos.

O livro explica todo o sistema que Isha ensina para todo o mundo. Morando no Uruguai, mas com centros e escritórios em outros locais da América Latina, Isha e sua fundação estão comprometidas em elevar a consciência da humanidade, compartilhando a prática meditativa de “não há como fazer errado” e “com certeza mudará sua vida” descrita em seus livros e seminários. Isha e sua equipe ensinam o sistema em prisões, escolas, empresas, orfanatos e em qualquer lugar onde seja necessário. Além disso, oferecem programas de estadias curtas e longas em seus centros, onde oferecem um incrível apoio a qualquer ser humano, de qualquer lugar e que esteja, como eu – e provavelmente você – pronto para mais.

Mais de que? Mais liberdade, mais alegria, mais paz.

Em seu livro, Isha diz, com uma simplicidade eloquente, que cada um de nós foi feito para voar; somos feitos para ser a grandeza única de quem somos; mas nossos pensamentos e medos, nossas preocupações sobre o que nossa família e amigos vão pensar ou o que Deus dirá no dia do juízo final nos impedem de ir adiante. Vestimos uma camisa de força que nós mesmos projetamos e, para que funcione ainda melhor, encontramos a melhor e mais incrível maneira de fazê-la estourar: agimos como se não tivesse nada a ver conosco e como se todo o

poder estivesse além do nosso alcance, mantido na riqueza, beleza ou parceria que nunca alcançaremos. Somos vítimas sentadas em um tesouro de potencial ilimitado.

Quando comecei a praticar o sistema descrito no livro, pude sentir a convicção de Isha entrando em minha consciência. Comecei a unificar – o termo que Isha usa para descrever sua prática – e me senti bem como nunca.

Há um milhão de coisas maravilhosas que eu poderia dizer sobre Isha Judd e o que ela está fazendo pela consciência da humanidade, mas nenhuma delas faria justiça à verdadeira beleza do que ela é. Sou muito grato a ela por me presentear com uma ferramenta que – sí o sí , como ela diz em espanhol coloquial (sim ou sim – com certeza) – sempre funciona.

Isha compartilha sua sabedoria de maneira simples e com humor. Ela ri e chora com seus alunos. Ela é brincalhona e às vezes dura. E o que ela modela para seus alunos é uma joia da humanidade perfeita.

Fomos feitos para sermos humanos, diz ela. Fomos feitos para ter sentimentos – raiva, medo, tristeza, alegria. Nosso objetivo é ter experiências contrastantes, eventos extremos, mudanças devastadoras. Também devemos viver a vida ao máximo, nos desafiar e dar o máximo de nós na autodescoberta e crescimento. Nós somos perfeitos. E além disso: tudo é perfeito.

Após 10 anos de busca, Isha experimentou um intenso despertar espiritual e se iluminou. Foi esse despertar que criou o seu sistema e que está em sua raiz. O que Isha ensina e compartilha é sua experiência absoluta de amor-consciência, a fonte de toda a experiência humana. É algo interno, algo que somos. Não precisamos ser ricos para alcançá-lo. Nem precisamos acreditar nisso. O poder do amor vai muito além de nossos pensamentos e sustenta o mundo em que vivemos. À medida que usamos as facetas do sistema Isha, essa experiência cresce dentro de nós e o mundo do medo e do caos começa a derreter, substituído por algo tão incrivelmente bonito que a criança dentro de nós começa a despertar outra vez. Consciente dos desafios únicos do mundo, mas fortalecida por uma profunda experiência interior de amor, a vida se transforma em uma jornada feliz de descoberta e alegria. Somos livres para ser nós mesmos. Deste lugar, a mente se torna um aliado em nosso jogo – e não um inimigo – e começamos a ir além da vítima e ser um criador, que é a mensagem final de Isha. Nenhum de nós é vítima. Nós apenas pensamos que somos. E à medida que a consciência do planeta aumenta, isso se tornará cada vez mais óbvio, mais e mais fácil de se alcançar. Em vez de medo em algemas, sou amor em ação.

Ame-se, ame sua vida – é o slogan do retiro de cura de seis meses deste ano no Centro Isha Judd. Oferecido em um de seus centros de tempos em tempos, esse é o mesmo programa que me levou ao Uruguai em 2013. Após quatro anos praticando o sistema Isha, tive que ir saber o quão profunda essa prática poderia ser. Juntando-me nesta empreitada a outros 50 participantes, embarquei na aventura única justo no Uruguai.

Uruguai. Lindo, cheio de praias e ventos, bucólico. É o lugar mais improvável de se encontrar um guru. E, no entanto, animado como nunca, lá estava eu, aninhado na pequena cidade de Costa Azul, Canelones, ouvindo o estrondo das ondas e o uivar do vento contra as persianas à noite. E foi lá, com o úmido ar do Uruguai na minha pele, que iniciei o incrível e essencial trabalho de me amar.

A essência do sistema Isha Judd é o amor incondicional a si mesmo. Usando quatro ferramentas simples de Meditação Educativa, começo a me conectar com o poder ilimitado do amor-consciência que sou. Como resultado, o lixo de toda uma vida vem à superfície para ser sentido, abraçado e, finalmente, deixado ir.

Todas as minhas negações, todos os meus julgamentos – tudo saiu. Todo medo, toda ansiedade – eu os vi surgir de algum lugar profundo dentro de mim e então os encontrei, os expus e, finalmente, os deixei ir. Comecei o processo totalmente transformador de me esvaziar, de criar espaço dentro de mim para a verdade de quem eu realmente sou. Mais do que minhas perdas, minhas crenças e meu condicionamento, eu sou. Único, bonito – uma expressão perfeita de amor em forma humana. E eu pude respirar de novo! Eu pude relaxar! Eu pude rir! Tudo veio com uma clareza tão nítida, uma abundância do momento presente que só cresceu com o tempo e a prática.

Mas o trabalho de Isha está longe de terminar. Com sua equipe de professores dedicados e apoiada por uma rede de centenas de facilitadores, sua fundação educacional está compartilhando a mensagem de paz com professores e administradores de escolas da América do Sul, mostrando a eles como curar-se e como curar suas vidas. O resultado? Uma profunda evolução na maneira de como tratamos e criamos nossas crianças. Quando eu me curo, eu curo o mundo. E quando um professor ou professora se cura? Ele ou ela cura um milhão de mundos. Quando estou em paz comigo mesmo, há espaço dentro de mim para me deliciar na singularidade, beleza, alegria. E afinal, não é isso que são as crianças? Não é isso que somos todos nós – antes que os medos de nossas sociedades e experiências penetrassem em nosso âmago?

Mas e se as crianças aprendessem desde cedo que a preservação do interior é importante – que amar a nós mesmos é tão essencial quanto todos os objetivos e realizações externos que tão comumente somos estimulados a completar. E se seus professores fossem exemplo para lhes mostrar isso? E se realmente fosse possível mudar o mundo? E se o mundo já estiver mudando?

Por fim, esta é a mensagem que quero deixar para você hoje, porque acho que é muito importante. Eu acho que é absolutamente essencial que você saiba sobre o trabalho que Isha está fazendo e que um grande movimento pela paz verdadeira, paz interior – o único tipo que realmente existe – já está em andamento. Nós somos o que escolhemos, diz Isha, então escolha o amor.

Confira o excelente trabalho da Fundação Isha e seja a mudança interior e exterior.

 

Com todo meu amor,

Matt

Matthew Schmidt é um facilitador do Sistema Isha Judd que mora em Vancouver, BC, Canadá.

Isha

Isha Judd é uma humanitária australiana, considerada “Embaixadora da paz” pela incessável tarefa de levar sua mensagem de amor para o mundo inteiro. As pessoas procuram cada vez mais suas conferências e seminários, eles atraem todo tipo de público. Sua Fundação também oferece iniciativas de apoio social para setores marginais. Assim, os ensinamentos podem chegar a todas as pessoas.

Isha não estabelece opiniões políticas, dogmas ou conceitos intelectuais, no entanto ela é considerada uma visionária do mundo moderno, recebendo convites para falar em fóruns internacionais, empresas, para membros da política, da igreja, prisões de alto risco e diferentes setores sociais.

“Por que a mensagem dela vai além de todas as diferenças, comovendo a tantas pessoas, independentemente da sua nacionalidade, idade ou credo?”

Isha Judd fala sobre o amor-consciência. Ela diz que é a nossa essência, é quem realmente somos. Ela diz que a consciência é amor: “Não há nada mais pleno que o amor incondicional por nós mesmos e quando o experimentamos, podemos levá-lo a cada aspecto de nossa criação. Quando nos amamos incondicionalmente, o medo some e experimentamos a unidade em tudo. Não é uma experiência sutil, é total. É o mais maravilhoso que pode acontecer com o ser humano”.

A presença da Isha vai além do intelecto e toca o coração das pessoas. Ela quebra os paradigmas relacionados com os mestres espirituais: sua simplicidade combinada com uma profunda sabedoria cativam o observador.

Nascida na Austrália, morou lá durante experiências que abalaram suas estruturas desde o início da sua vida, sendo motivada a ir além de qualquer limite. Depois de ficar sabendo sobre sua adoção quando era muito nova, foi com os animais onde ela encontrou consolo. Seu amor pelos cavalos acabaria por levá-la a uma carreira gratificante como treinadora. Após grandes perdas pessoais e financeiras, sua busca foi motivada por algo maior do que o sucesso externo: encontrar a liberdade dos medos que ainda a mantinham prisioneira. Começou a mergulhar dentro de si mesma para encontrar aquilo que sempre havia desejado, guiada por uma voz interna que dizia: “É hora de acordar, é hora de acordar”.

Durante essa viagem interior ela foi indo de volta para seu coração. Graças a certas ferramentas conseguiu ir além da confusão e preocupações que todos experimentamos, a um estado interno de paz e plenitude.

Foi assim que essa experiência, considerada por nossa cultura como quase inatingível – só para uns poucos escolhidos, depois de muitos anos de abstinência e desconexão da sociedade – ,é experimentado por ela , comovedor, mas ao mesmo tempo com os pés na terra; uma pessoa que vive no mundo, não afastada dele.

O seu método não tem crenças, não é uma religião mas também não se opõe a nenhuma. Ela já ensinou freiras católicas, rabinos e sacerdotes, como também ateus e céticos; numa busca que todo ser humano compartilha e que nos une além das diferenças aparentes: a busca do amor.

Isha viaja constantemente e compartilha sua mensagem com pessoas que estão à procura de uma mudança. Autora de vários livros, estabeleceu seus Centros de Meditação Educativa no Uruguai e no México, onde visitantes do mundo inteiro e os seus estudantes vêm para passar umas verdadeiras férias consigo mesmos num ótimo lugar, dedicados a aprofundar seu crescimento interior de autodescobrimento. Ela mora no Uruguai com uma equipe de educadores (mestres) treinados por ela.

Para poder compartilhar sua mensagem e ensinamentos com todos aqueles que desejam recebé-lo, ela estabeleceu uma Fundação cujas atividades são cada vez mais diversas, com o objetivo de alcançar setores mais necessitados. Fazendo visitas à prisões, orfanatos, hospitais e outros lugares, a fundação leva o sistema de Meditação Educativa da Isha Judd a cada recanto da sociedade.

Desta forma, uma ferramenta tão simples pode chegar a eliminar o estresse e os traumas de um número cada vez maior de pessoas, melhorando substancialmente sua qualidade de vida, como também seu entorno imediato e social. Em poucas palavras, a Isha ensina às pessoas a se amarem a si mesmas.

“Todos sabemos que temos que amar os outros, mas como fazer isso verdadeiramente se não somos capazes de amar a nós mesmos? O auto-amor não é egoísta nem arrogante, é a base de uma relação saudável e completa com a vida e com o mundo”.

Esta é a visão de Isha Judd para um mundo unido pela paz.